DIREITUS LINGUÍSTIKU

 

Introduson

 

Amílcar Cabral

«Um povo que se liberta do domínio estrangeiro não será culturalmente livre a não ser que, sem complexos e sem subestimar a importância dos contributos positivos da cultura do opressor e de outras culturas, retome os caminhos ascendentes da sua própria cultura, que se alimenta da realidade viva do meio e negue tanto as influências nocivas como qualquer espécie de subordinação a culturas estrangeiras. Vemos assim que, se o domínio imperialista tem como necessidade vital praticar a opressão cultural, a libertação nacional é, necessariamente, um acto de cultura.»

Amílcar Cabral, «O papel da cultura na luta pela independência»
um texto lido na Reunião de Peritos sobre Noções de Raça, Identidade e Dignidade, da UNESCO, em Paris, em Julho de 1972

 

Kel testu di Amílcar Cabral, li di riba, ledu pa un runion di UNESCO, ki é un organizason déntu di Organizason di Nasons Unidu (ONU).  Dokumentu prinsipal di ONU é txomadu «Declaração Universal dos Direitos Humanos» (Diklarason Universal di Direitus Umanu).  Kel dokumentu ta fla ma tudu kes nason, ki é ménbru di ONU, ten konvikson ki tudu ser umanu ten uns direitu ki ka pode ser negadu, sima ser tratadu ku igualdadi, diginidadi, liberdadi, etsétera..., y ki tudu kes nason debe inpenha rixu pa kes direitu ser un rialidadi na ses país.  Kabu Verdi é un nason ki é ménbru di Organizason di Nasons Unidu.  Amícar Cabral lutaba pa kes direitu delineadu na kel Diklarason Universal di Direitus Umanu, y na se testu, li di riba, e fla di se luta pa liberdadi kultural.  Na kel testu e fla ma e ka kreba subestima inportánsia di kontributus pozitivu di kultura opresor.  Na otus testu e fla ma língua purtugês é un kontributu pozitivu di kultura opresor: «É a única coisa que podemos agradecer ao tuga, no facto de ele nos ter deixado a sua língua depois de ter roubado tanto na nossa terra.»*, y tudu kriansa na Kabu Verdi ta lê un verson di kel otu testu na ses livru pa studa língua purtugês na skóla.  Má Amílcar Cabral ka para la.  E kontinua ta fla na uns testu: «Até um dia em que de facto, tendo estudado profundamente o crioulo, encontrando todas as regras de fonética boas para o crioulo, possamos passar a escrever o crioulo, [língua di téra].»*  Y e fla tanbe, na kel testu na kumésu des pájina, má pa un povu ser livri, dimedivéra, es meste subi, sen kunpleksu, na kel kaminhu di ses própri kultura, ki é alimentadu na ses rialidadi bibu, y ki es meste nega ser dominadu pa otu kultura, djuntu ku kalker influénsia negativu ki ta ben di otu kulturaStudus na antropolojia kultural ta mostra ma kultura di un ser umanu é konstruidu na se língua matérnu, y ki é na se língua matérnu ki e ta spresa se kultura. *(Cabral, Amílcar. 1974, «Análise de alguns tipos de resistência», Lisboa, Seara Nova, [língua di téra] é informason inplísitu ki ta ben di kontestu--língua kabuverdianu na kontestu di Kabu Verdi.)

Anton, «Artigu 2º» di Diklarason Universal di Direitus Umanu ta fla ma tudu ser umanu ten direitu di odja se língua matérnu ser valorizadu, y ki ningen ka pode ser prejudikadu ô privelijiadu pamódi se língua matérnu.  Anton, UNESCO, ki é un organizason pa trata di asuntus di idukason, siénsia y kultura, déntu Organizason di Nasons Unidu, es faze otu diklarason sô pa língua, txomadu «Declaração Universal de Direitos Linguísticos» (Diklarason Universal di Direitus Linguístiku).  Kel Diklarason Universal di Direitus Linguístiku ta fla di un fórti ligason entri direitus linguístiku y tudu kes otus direitu umanu na Diklarason Universal di Direitus Umanu.  Si direitus linguístiku di algen é ruspetadu, normalmenti ses otus direitu é ruspetadu tanbe.  Si direitus linguístiku ka é ruspetadu, kifari kes otu.  Kel Diklarason Universal di Direitus Linguístiku ta fla tanbe ma tudu algen ten direitu di ser inxinadu lê ku skrebe se língua matérnu.  Si kriansas ta odja ma ses direitu linguístiku ka é dadu valor, purizénplu ses sistéma skolar ta trata ses língua matérnu sima e ka ta iziti, es pode ben pensa ma si kel direitu linguístiku ka meste ser ruspetadu, talvêz kes otu ka meste ser ruspetadu.  Kel Diklarason Universal di Direitus Umanu ta iziji pa tudu algen pruteje direitus umanu di kriansa na ses país, pamódu txeu kriansa ta sufre abuzu, y es ka ten forsa pa pruteje se kabésa.  Ten txeu tipu di abuzu di kriansa.  Un tipu di abuzu ta dadu ku pó.  Otu tipu di abuzu ta dadu ku palavras, y sikatris sikulójiku des tipu di abuzu pode fika ku kes kriansa pa tudu ses vida.  Un tipu di abuzu di palavras é dadu ku palavras di otu língua, ki ta fla ma língua matérnu di kes kriansa ka ten valor.  Anton UNESCO diklara tanbe ma na tudu 21 di febreru, tudu país ménbru debe selebra «Dia Internasional di Língua Matérnu», pa ka skisi di inportansia di língua matérnu.

Na Union di Európa, tudu kes país ménbru pripara un «Carta Europeia das Línguas Regionais ou Minoritárias» (Statutus di Union di Európa pa Línguas Rijional y Minortitáriu) ki ta fla di inportánsia ki es ta da pa direitus línguístiku na kada país.  Union di Európa diklara tanbe ma na tudu 26 di seténbru, tudu país ki é ménbru debe selebra «Dia di Línguas di Európa», pa selebra diversidadi linguístiku, plurilinguízmu y studus di línguas.  Purtugal é ménbru di Union di Európa.  Anton Purtugal debe ruspeta kes Statutus di Union di Európa pa Línguas Rijional y Minortitáriu ki fla ma Purtugal meste ruspeta direitus linguístiku di tudu língua rijional y minoritáriu na Purtugal.  Purtugal pode konsidera ma língua kabuverdianu ka é un língua minoritáriu di Purtugal, pamódi es pode konsidera ma língua kabuverdianu é un língua di imigrantis na Purtugal.  Má língua kabuverdianu é un língua ki nase na un antigu teritóriu di Purtugal, anton e pode ser konsideradu un patrimóniu istóriku di Purtugal.  Tanbe, Kabu Verdi ten un ligason fórti ku Purtugal y un ligason spesial ku Union di Európa.  Anton, Kabu Verdi ten un ligason ku kes Statutus di Union di Európa pa Línguas Rijional y Minortitáriu.  Aplikason di kes Statutus na Kabu Verdi pode indika ma Kabu Verdi debe ruspeta direitus linguístiku pa língua purtugês, pamódi língua maioritáriu na Kabu Verdi é língua Kabuverdianu.  Má direitus linguístiku pa língua purtugês dja ten grandi ruspetu na Kabu Verdi, ti más ki própri língua maioritáriu, língua kabuverdianu.

Anton, na Kabu Verdi, ta parse ma língua kabuverdianu inda ka é tratadu ku igualdadi, sen kunpleksu, y ki inda e ka subi ti riba na se própri kaminhu di liberdadi kultural, sima Amílcar Cabral skrebe na se testu li di riba.  Má língua kabuverdianu dja da uns pasu na kel kaminhu.  Konstituison di Kabu Verdi ta abri pórta pa dizenvolvimentu di direitus linguístiku pa língua kabuverdianu.  Tanbe, Dekrétu-Lei n.° 67/98 di Kabu Verdi ta fla di uns pasu ki debe dadu pa dizenvolvimentu di más diteitus linguístiku pa língua kabuverdianu, y Rizuluson n.° 48/2005 di Kabu Verdi ta fla di otus pasu ki debe dadu pa valoriza más kes direitu linguístiku pa língua kabuverdianu.

 


 

Link pa un Maniféstu pa Lingua Kabuverdianu

 

http://www.xatiadusi.com/index_ficheiros/DiklarasonLinguistiku.htm

 


 

Prizentason di kes Dokumentu

 

Nu ta poi un kópia di uns dokumentu li di baxu.  Uns des dokumentu é kunpridu di más pa poi li.  Anton, nu poi kes parti ligadu ku direitus linguístiku.  Si algen krê lê un des dokumentu kunpletu, es pode ser atxadu na kes sítiu pa kes dokumentu.  Tanbe, nu ka atxa txeu dokumentu di direitus umanu y di lejislason, traduzidu pa língua kabuverdianu.  Nu ta konvida-nhos ki ta trabadja ku direitus umanu, y ku lejislason, pa traduze más des dokumentu li pa língua kabuverdianu.  Tanbe, nu ta atxa ma debe ten un traduson di Inu Nasional na língua kabuverdianu.  Nos Asosiason sta prontu pa djuda kalker algen ki krê traduzi kes dokumentuNos inderésu sta na pájina di «Itroduson di Asosiason».  Inkuantu nu ta spéra pa kes dokumentu fika traduzidu pa língua kabuverdianu, nu poi uns li na purtugês.  Dipos di kes dokumentu, nu sa ta insáia un diklarason di direitus linguístiku pa língua kabuverdianu, pa e ser tratadu ku igualdadi, sen kunpleksu, pa e subi ti riba na se própri kaminhu di liberdadi kultural, sima Amílcar Cabral skrebe na se testu li di riba.

Índisi

Bu pode avansa na es pájina ku kel bara di dizlokamentu, na ladu direita, ô bu pode kalka
riba di un sekson na Índisi, li di baxu, pa avansa pa un sekson partikular.  Di la bu pode kalka
riba “Torna volta pa Índisi” na fin di kada sekson, y dipos kalka na otu sekson na Índisi.

 

Índisi

ONU
Declaração
Universa
dos
Direitos
Humanos
UNESCO
Declaração
Universal
de Direitos
Linguísticos
UNESCO
Dia
Internacional
da Língua
Materna
UNIÃO
EUROPEIA
Carta
Europeia das
Línguas
Regionais ou
Minoritárias
CABO
VERDE
A
Constituição
da
República de
Cabo Verde
CABO
VERDE
Decreto-Lei
n.° 67/98
CABO
VERDE
Resolução
n.°
48/2005

 

 

Direitus Umanu

Declaração Universal dos Direitos Humanos

 

Sima fladu li di riba, kel Diklarason Universal di Direitus Umanu é un di kes dokumentu prinsipal di Organizason di Nasons Unidu.  É un dokumentu setadu y sinadu sima Rizuluson 217A (III), na Senbléia Jeral, na dia 10 di Dizénbru 1948.  E ta da un lista di kes direitu ki é di tudu ser umanu.  Nu atxa un traduson des Diklarason, pa língua kabuverdianu, na sítiu na Internet pa Diklarason Universal di Direitus Umanu, traduzidu pa Orlanda Amarílis:

www.gddc.pt/direitos-humanos/textos-internacionais-dh/tidhuniversais/CRIOULO%20CABO%20VERDE.html

Tanbê, na Kabu Verdi, Kumison Nasional pa Direitus Umanu y Sidadania dja faze un traduson di kel Diklarason, traduzidu pa Lourdes Lima.  Nes altura, algen pode konsigi un kópia di kel traduson na skritóriu di Kumison Nasional pa Direitus Umanu y Sidadania, na Avenida Andrade Corvo, n.9, Praia.  Kel dokumentu é rei di inportanti pa tudu otus dokumentu, anton nu spera ma un dia es ta ben poi kel traduson na ses sítiu na Internet tanbê.

www.cndhc.org

 


Torna volta pa Índisi

 


UNESCO

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE DIREITOS LINGUÍSTICOS

RESUMO DE PARECERES E ACÇÕES DA CONFERÊNCIA MUNDIAL DE DIREITOS LINGUÍSTICOS

(Barcelona, 6-8 de junho de 1996)

 

 

Um dos esforços dos redactores foi de definir certos direitos linguísticos equitativos, sem subordiná-los ao status político ou administrativo dos respectivos territórios pertencentes às comunidades linguísticas, nem a critérios como grau de codificação ou número de falantes.  Por este motivo, a Declaração proclama a igualdade de direitos linguísticos, sem distinções entre línguas oficiais—não oficiais, nacionais—locais, majoritárias—minoritárias, ou modernas—arcaicas.

A Declaração considera inseparáveis e interdependentes as dimensões colectiva e individual dos direitos linguísticos.  Reconhece a complexidade da necessária articulação dos direitos linguísticos de comunidades, grupos e pessoas, bem como a imensa diversidade de factores que condicionam a situação das línguas e a imprescindível inter-relação entre os direitos linguísticos e outros direitos fundamentais.  Deseja salientar, não propriamente as respectivas responsabilidades de entidades governamentais e particulares no estabelecimento de uma dinâmica equitativa, senão a busca de soluções adaptadas a cada caso a partir do consenso democrático.

A PAZ LINGUÍSTICA

A Declaração reconhece a igualdade fundamental de todos os povos e todas as línguas; acha de enorme gravidade a previsão geral de que durante o século XXI uns 80% das línguas do mundo podem desaparecer, vítimas da substituição de línguas majoritárias de maior prestígio estratégico.  Para que a diversidade linguística possa continuar contribuindo à cultura da paz, a Declaração procura estimular uma nova percepção do próprio conceito desta diversidade: que TODOS as línguas são patrimônio da humanidade, uma herança colectiva de todos.  Com cada língua que desaparece, altera-se o equilíbrio ecolinguístico do mundo e podem sobrevir consequências imprevisíveis, já detectadas em diversas patologias colectivas.

Frente à tendência unificadora da maioria dos estados a reduzir a diversidade e favorecer atitudes adversas à pluralidade cultural em benefício do mercado de informação e do modelo economicista transaccional, a Declaração opõe uma concepção de universalismo que possa superar as tendências homogeneizardes e exclusivistas e permitir participação efectiva das comunidades linguísticas as mais diversas num novo modelo de crescimento.

A DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE DIREITOS LINGUÍSTICOS

A Declaração considera como eixos fundamentais da qualquer comunidade linguística:  a historicidade, a territorialidade, a autoidentificação como povo e o fato de haver desenvolvido uma língua comum como meio normativo de comunicação entre os seus membros.  Portanto, a Declaração define, no seu Título Preliminar, a língua própria de um território como sendo o idioma da comunidade historicamente estabelecida num determinado espaço.  Merece atenção especial a necessidade de preservar os direitos linguísticos de colectividades deslocadas do seu território histórico (seja por migração, deportação ou qualquer outra causa) de uma forma que seja compatível com os direitos da comunidade linguística do lugar de destino dos deslocados.  A Declaração não entende o território somente como área geográfica senão também como um espaço social e funcional imprescindível para o pleno desenvolvimento da uma língua; tal conceito permite, por exemplo, considerar como comunidade linguística os povos nômades em suas áreas históricas de migração.

Entre os direitos pessoais inalienáveis em qualquer situação, a Declaração reconhece:

Semelhantemente, considera-se um direito e um dever das pessoas que se estabelecem no território de uma comunidade linguística diferente da delas um grau de integração ou assimilação na sociedade receptora, mas somente como opção individual livre.  O emigrante deve manter o direito ao ensino da sua própria língua e cultura, o de dispor de serviços culturais e de meios de comunicação, e o de ser atendido na sua língua nos organismos oficiais e nas relações socioeconômicas.

Finalmente, propõe-se a criação de um Conselho das Línguas no seio das Nações Unidas, bem como a de uma Comissão Mundial de Direitos Linguísticos.

O Seguimento

A Assembléia de participantes da Conferência Mundial de Direitos Linguísticos criou um Comitê de Seguimento da Declaração com a dupla finalidade de encaminhar o texto a seu destino na UNESCO e de conseguir o máximo de apoio das instituições e entidades mundiais no sentido de reforçar e ajudar a difundir o conteúdo da Declaração.

Algumas reflexões finais:

Ao se contemplar o preço a pagar pela preservação da diversidade linguística em nosso mundo, deve-se contemplar igualmente o preço do desaparecimento ou substituição das línguas. 

Algumas perguntas que merecem consideração são:

Se o desarrazoamento tem um preço, o fracasso escolar tem um preço também.

Em resumo, embora o futuro da diversidade linguística não seja nada esperançoso, a situação não é ainda irreversível.  O processo de preservação, bem sabemos, vai ser difícil e desafiador.

Oriol Ramon i Mimó

Secretario Geral del Comité de Seguimiento de a DUDL 

 


Torna volta pa Índisi

 


 

Dia Internacional da Língua Materna

21 de Fevereiro

 

 

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) defende a diversidade linguística, declarando o Dia Internacional da Língua Materna.  O Dia Internacional da Língua Materna é comemorado anualmente a 21 de Fevereiro.  O propósito é promover o reconhecimento das línguas maternas do mundo.  Os estados-membros da UNESCO estão a ajudar a proteger e revitalizar a nossa diversidade cultural, promovendo todas as línguas como um meio de comunicação, interacção e compreensão entre os diferentes povos.  Uma língua é muito mais do que um instrumento, consideravelmente mais do que uma ferramenta, pois estrutura os nossos pensamentos, coordena as nossas relações sociais e constrói a nossa relação com a realidade.  Uma língua constitui uma dimensão fundamental do ser humano.  É dentro da língua e através da língua que nós vivemos.

O director-geral da UNESCO, Koïchiro Matsuura, afirma a importância da preservação da diversidade lingüística neste mundo em constante evolução.  «Cada língua é mais do que um instrumento, é uma dimensão fundamental do ser humano.  As Línguas Maternas são únicas porque marcam os seres humanos desde o seu nascimento, dando-lhes sobre o mundo um olhar singular que nunca se extingue, independentemente do número de línguas que se venha a adquirir posteriormente.»

Koïchiro Matsuura, defende a promoção das línguas maternas na escola com o objectivo de melhorar a qualidade da aprendizagem.  «Hoje reconhece-se que a instrução primária do aluno em língua materna melhora os resultados de aprendizagem e reduz as taxas de reprovação e de abandono.»  Para Matsuura, o duplo desafio da melhoria da qualidade e do alargamento equitativo do acesso à Educação para todos requer uma mobilização política infalível.  Defendeu que este desafio só poderá ser enfrentado se beneficiar dum nível de investimento nacional e internacional a longo prazo.

Mais da metade das seis mil línguas mundiais correm o risco de desaparecer neste século, segundo o Atlas da Organização da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), editado em 2002.  Cerca de 95% das línguas do planeta são faladas apenas por 4% da população mundial, segundo a Unesco, que lembra que a cada duas semanas, em média, desaparece uma língua.  Além disso, 90% das línguas mundiais não estão representadas na internet e 80% das línguas africanas carecem de ortografia.  Numa altura em que o desenvolvimento das empresas se baseia cada vez mais no acesso à informação e no conhecimento, mede-se quanto este desafio linguístico estará no centro de uma reforma.

 

 


Torna volta pa Índisi

 

 

União Europeia

 

 

CONSELHO DA EUROPA

2000

 

 CARTA EUROPEIA DAS LÍNGUAS

REGIONAIS OU MINORITÁRIAS

 

PREAMBULO

 

Os Estados membros do Conselho da Europa, signatários da presente Carta,

Considerando que a finalidade do Conselho da Europa e a de alcançar uma união mais estreita entre os seus membros a fim de salvaguardar e de promover os ideais e os princípios que são seu património comum;

Considerando que a protecção das línguas regionais ou minoritárias históricas da Europa, algumas das quais correm o risco, ao longo do tempo, de desaparecer, contribui para manter e desenvolver as tradições e a riqueza culturais da Europa;

Considerando que o direito de utilizar uma língua regional ou minoritária na vida privada e pública constitui um direito imprescritível, em conformidade com os princípios contidos no Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos das Nações Unidas, e de acordo com o espírito da Convenção para a Protecção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais do Conselho da Europa;

Tendo em conta o trabalho realizado no âmbito da CSCE, e em particular a Acta Final de Helsínquia de 1975 e o Documento da reunião de Copenhaga de 1990;

Salientando o valor do interculturalismo e do multilinguismo, e considerando que a protecção e o incentivo às línguas regionais ou minoritárias não deveriam fazer-se em detrimento das línguas oficiais e da necessidade de as aprender;

Conscientes do facto de que a protecção e a promoção das línguas regionais ou minoritárias nos diferentes países e regiões da Europa representam uma contribuição importante para a construção de uma Europa baseada nos princípios da democracia e da diversidade cultural, no âmbito da soberania nacional e da integridade territorial;

Tendo em conta as condições especificas e as tradições históricas próprias de cada região dos países da Europa;

Acordam no seguinte:

 

PARTE II

OBJECTIVOS E PRINCÍPIOS PROSSEGUIDOS

 

1.   Em matéria de línguas regionais ou minoritárias, nos territórios nos quais essas línguas são utilizadas e conforme o estatuto de cada língua, as Partes baseiam a sua política, a sua legislação e a sua pratica nos objectivos e princípios seguintes:

a)   O reconhecimento das línguas regionais ou minoritárias como expressão da riqueza cultural;

b)   O respeito pela área geográfica de cada língua regional ou minoritária, de modo a garantir que as divisões administrativas que já existem ou as novas não constituam um obstáculo a promoção dessa língua regional ou minoritária;

c)   A necessidade de desenvolver acções para a promoção das línguas regionais ou minoritárias, com o fim de as salvaguardar;

d)   A facilitação e/ou o incentivo a utilização oral e escrita das línguas regionais ou minoritárias na vida pública e na vida privada;

e)   A manutenção e o desenvolvimento de relações, nos domínios abrangidos pela presente Carta, entre os grupos que utilizam uma língua regional ou minoritária e outros grupos do mesmo Estado que falam uma língua utilizada de uma forma idêntica ou próxima, bem como o estabelecimento de relações culturais com outros grupos do Estado que utilizam línguas diferentes;

f)    A instituição de sistemas e de meios adequados de ensino e de estudo das línguas regionais ou minoritárias a todos os níveis apropriados;

g)   O estabelecimento de meios disponíveis que permitam aos não falantes de uma língua regional ou minoritária residentes na área em que esta língua e utilizada da sua aprendizagem se o desejarem;

h)   A promoção dos estudos e da investigação das línguas regionais ou minoritárias nas universidades ou nos estabelecimentos equivalentes;

i)    A promoção de formas apropriadas de intercâmbios transfronteiras, nos domínios abrangidos pela presente Carta, para as línguas regionais ou minoritárias utilizadas de uma forma idêntica ou próxima em dois ou mais Estados.

2.   As Partes comprometem-se a eliminar, se ainda o não fizeram, qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferencia injustificadas que tenham por objecto a utilização de uma língua regional ou minoritária e por finalidade desencorajar ou por em perigo a manutenção ou o desenvolvimento desta. A adopção de medidas especiais a favor das línguas regionais ou minoritárias, destinadas a promover uma igualdade entre os falantes dessas línguas e o resto da população ou tendo em conta as suas situações particulares, não e considerada como um acto de discriminação para com os falantes das línguas mais divulgadas.

3.   As Partes comprometem-se a promover, através de medidas adequadas, a compreensão mutua entre todos os grupos linguisticos do pais, garantindo que, nomeadamente, o respeito, a compreensão e a tolerância relativamente as línguas regionais ou minoritárias figurem entre os objectivos da educação e da formação ministradas no pais, e a incentivar os meios de comunicação a prosseguir o mesmo objectivo.

4.   Ao definir a sua política relativamente as línguas regionais ou minoritárias, as Partes comprometem-se a tomar em consideração as necessidades e os desejos expressos pelos grupos que utilizam essas línguas. São encorajadas a criar, se necessário, órgãos cujo objectivo seja o de aconselhar as autoridades sobre todas as questões que dizem respeito as línguas regionais ou minoritárias.

5.   As Partes comprometem-se a aplicar, mutatis mutandis, os princípios previstos nos n.°s 1 a 4 acima referidos as línguas desprovidas de território. Todavia, no caso dessas línguas, a natureza e o alcance das medidas a tomar para garantir a aplicação da presente Carta serão determinadas de modo flexível, tendo em conta as necessidades e os desejos e respeitando as tradições e as características dos grupos que utilizam as línguas em causa.

 

 


Torna volta pa Índisi

 

Bandeira

A Constituição da República de Cabo Verde

 

 

PARTE I

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

TÍTULO I

DA REPÚBLICA

Artigo 9º

(Línguas oficiais)

  1. É língua oficial o Português.

  2. O Estado promove as condições para a oficialização da língua materna cabo-verdiana, em paridade com a língua portuguesa.

  3. Todos os cidadãos nacionais têm o dever de conhecer as línguas oficiais e o direito de usá-las.

 

PARTE II

DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS

TÍTULO I

PRINCÍPIOS GERAIS

Artigo 23º

(Princípio da igualdade)

 

Todos os cidadãos têm igual dignidade social e são iguais perante a lei, ninguém podendo ser privilegiado, beneficiado ou prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de raça, sexo, ascendência, língua, origem, religião, condições sociais e económicas ou convicções políticas ou ideológicas.

 

 

TÍTULO III

DIREITOS E DEVERES ECONÓMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS

Artigo 78º

(Direito à cultura)

  1. Todos têm direito à fruição e criação cultural, bem como o dever de preservar, defender e valorizar o património cultural.

  2. Para garantir o direito à cultura, os poderes públicos promovem, incentivam e asseguram o acesso de todos os cidadãos à fruição e criação cultural, em colaboração com outros agentes culturais.

  3. Para garantir o direito à cultura, incumbe especialmente ao Estado :

    1. Corrigir as assimetrias e promover a igualdade de oportunidades entre as diversas parcelas do país no acesso efectivo aos bens de cultura;

    2. Apoiar iniciativas que estimulem a criação individual e colectiva e a circulação de obras e bens culturais de qualidade;

    3. Promover a salvaguarda e a valorização do património cultural, histórico e arquitectónico;

    4. Assegurar a defesa e a promoção da cultura cabo-verdiana no mundo;

    5. Promover a participação dos emigrantes na vida cultural do país e a difusão e valorização da cultura nacional no seio das comunidades cabo-verdianas emigradas;

    6. Promover a defesa, a valorização e o desenvolvimento da língua materna cabo-verdiana e incentivar o seu uso na comunicação escrita;

    7. Incentivar e apoiar as organizações de promoção cultural e as indústrias ligadas à cultura.

 

 


Torna volta pa Índisi

 


Decreto-Lei n.º 67/98

Boletim Oficial nº 48, 5º Suplemento, de 31 de Dezembro de 1998.
 

 

A situação linguística em Cabo Verde caracteriza-se pela existência de duas línguas com estatutos e funções diferenciados: o Português é língua oficial e internacional e o Cabo-verdiano (ou o Crioulo) é língua nacional e materna. Ao primeiro estão reservadas as funções de comunicação formal: administração, ensino, literatura, justiça, mass-média. Ao segundo, pelo seu lado, estão reservadas as funções de comunicação informal, particularmente o domínio da oralidade.

Sendo o Crioulo a língua do quotidiano em Cabo Verde e elemento essencial da identidade nacional, o desenvolvimento harmonioso do País passa necessariamente pelo desenvolvimento e valorização da língua materna. Porém, esse desenvolvimento e valorização não serão possíveis sem a estandardização da escrita do Crioulo ou seja da Língua Cabo-verdiana. Ora, a estandardização do alfabeto constitui o primeiro passo para a estandardização da escrita.

Assim, no uso da faculdade conferido pela alínea a) do nº 2 do artigo 216º da Constituição da República, O Governo decreta o seguinte:

 

Artigo 1º

É aprovado, a título experimental, o Alfabeto Unificado para a Escrita da Língua Cabo-verdiana (o Crioulo), adiante designado ALUPEC, cujas Bases são publicadas em anexo ao presente diploma.

 

Artigo 2º

O período experimental a que se refere o artigo 1º anterior terá a duração de cinco anos, a contar da data da entrada em vigor do presente diploma.

 

Artigo 3º

Durante o período experimental, acima referido, o Governo adoptará as medidas que se mostrarem necessárias e pertinentes com vista à divulgação do ALUPEC e ao encorajamento do seu uso progressivo na escrita da Língua Cabo-verdiana.

 

Artigo 4º

Findo o período experimental e ouvidas a Comissão Consultiva para a Língua Cabo-verdiana e demais entidades ligadas à problemática da escrita da mesma, procederá o Governo a uma avaliação final do impacto do uso do ALUPEC e adoptará as medidas que se mostrarem convenientes.

 

Artigo 5º

O presente Decreto-Lei entrará em vigor na data da sua publicação.

 

Visto e aprovado em Conselho de Ministros.

Carlos Veiga – António Gualberto do Rosário – António Jorge Delgado.

Promulgado em 24 de Novembro de 1998.

Publique-se.

O Presidente da República, ANTÓNIO MANUEL MASCARENHAS GOMES MONTEIRO.

Referendado em 25 de Novembro de 1998.

O Primeiro-Ministro, Carlos Veiga.

 
IMPLICAÇÕES

 

A escrita da língua cabo-verdiana deverá processar-se de forma orientada e dinâmica e basear-se na livre adesão dos seus utentes. Para tanto, não basta adoptar as bases e padronizar alguns aspectos que ultrapassam a fronteira de um alfabeto, como forma de disciplinar minimamente a escrita da língua. É imprescindível que haja uma política linguística clara e com reflexos positivos na política do ensino; que se incentive a escrita e se instituam os mecanismos de divulgação da nossa língua e da nossa cultura.

 

POLÍTICA LINGUÍSTICA

Pesquisa e divulgação

Uma estratégia consequente com o desenvolvimento sócio-cultural do país deverá permitir a utilização, a mais alargada possível da língua, em todas as situações de comunicação e através de qualquer tipo de suporte.

É imprescindível que se conceba uma política linguística que permita ao Crioulo partilhar com o Português o estatuto de língua oficial. Para tal, uma estrutura científica, vocacionada, fundamentalmente, para a pesquisa e divulgação do Crioulo, deverá ser criada e dotada de meios para o desenvolvimento da sua acção.

O processo rumo à padronização da escrita e o seu desenvolvimento subsequente deverá ser conduzido por essa estrutura científica.

A caminhada para a unificação gráfica do Crioulo deverá implicar ainda, mais cedo ou mais tarde, a opção por uma das variantes como língua co-oficial.

Um outro aspecto importante para o sucesso da política linguística é a formação de quadros. O país terá de planificar a formação dos técnicos necessários à implementação da política linguística, tendo em consideração as necessidades do ensino formal.

 

Ensino

A Reforma do Sistema Educativo deverá implementar uma estratégia de ensino do Crioulo, tendo em devida conta as implicações da introdução da nossa língua nos curricula.

A nível do ensino superior, deverão ser tomadas medidas com vista à introdução do Crioulo como objecto de estudo.

 

Incentivos

A implementação do ALUPEC levará o Crioulo a desenvolver-se, a consolidar-se e a transformar-se num instrumento de comunicação e num veículo de cultura afinados.

O papel do escritor e do jornalista na afirmação e no desenvolvimento da língua escrita é de capital importância, pelo que deverá haver uma política de incentivos à criatividade literária e à utilização do ALUPEC na comunicação social, como forma de se contribuir para a afirmação da língua, enquanto código de comunicação escrita.

 

O Primeiro-Ministro, Carlos Veiga.

http://alupec.kauberdi.org/decreto-lei-67-98.html

https://www.dropbox.com/s/7h38m5mp0oc7n2m/BO%20ALUPEC-AK.pdf

 

 


Torna volta pa Índisi

 


Resolução n.º 48/2005

Boletim Oficial nº 46, de 14 de Novembro de 2005.
 

 

A presente Resolução enquadra-se no âmbito da estratégia de valorização da língua caboverdiana. Ela visa o estabelecimento progressivo de um estatuto de maior dignidade para a nossa língua materna. Situa-se ainda no âmbito da necessidade da construção progressiva de um real bilinguismo. O assumir, oficialmente, desse bilinguismo, em construção, representa não só uma inadiável questão de reconhecimento cultural e antropológico, como também um posicionamento qualificado em prol da cidadania da língua caboverdiana. Tal posicionamento tem alguns antecedentes como:

a) A Resolução nº8/96 (Boletim Oficial nº12, de 30 de Abril), que aprova o Programa do Governo da V Legislatura, diz que em matéria da língua nacional: “O Governo pretende, com base nos estudos científicos que vêm sendo desenvolvidos e orientados por técnicos competentes na matéria, fixar metas e determinar etapas para a oficialização do crioulo… ao lado do português”.

b) De igual modo, o Decreto nº67/98, de 31 de Dezembro, ao aprovar o ALUPEC, estabelece: “… Sendo o crioulo a língua do quotidiano em Cabo Verde e elemento essencial da identidade nacional, o desenvolvimento e valorização harmoniosos do País passam necessariamente pelo desenvolvimento e valorização da língua materna”.

c) Nessa mesma linha, a Resolução nº8/98, publicada no Boletim Oficial nº10, diz: “Será valorizado, progressivamente, o crioulo caboverdiano como língua de ensino”.

d) Também em Julho de 1999, a Assembleia Nacional, no acto da revisão constitucional, determina que, no tocante à língua nacional, deverão ser criadas as condições para a sua oficialização, em paridade com a língua portuguesa.

e) Neste mesmo sentido, o Programa do Governo desta VI Legislatura diz, em matéria de política linguística: “No domínio da língua, o Governo aprofundará a política de promoção e valorização do Crioulo ou Língua Caboverdiana tendo em vista a sua oficialização. Em concomitância, tomará igualmente medidas no sentido de fazer com que o País caminhe, progressivamente, para um bilinguismo assumido” (Boletim Oficial nº6, 2º Suplemento, de 13/3/2001).

f) Diz a Constituição, ainda (artigo 9º, 3), que “Todos os cidadãos nacionais têm o dever de conhecer as línguas oficiais e o direito de usá-las”. (Se a Constituição fala de “línguas oficiais” e do “dever de conhecê-las e do direito de usá-las”, é porque ela reconhece, ainda que implicitamente, a oficialização das línguas referidas.)

g) A referida Carta Magna, no seu artigo 78º.3,f) diz que “Para garantir o direito à cultura, incumbe especialmente ao Estado: (…) Promover a defesa, a valorização e o desenvolvimento da língua materna caboverdiana e incentivar o seu uso na comunicação escrita”.

Não há dúvidas que apolítica de promoção e valorização da Língua Caboverdiana deve ser uma tarefa constante e permanente de qualquer Governo responsável. E isto se tivermos em conta que: a língua caboverdiana é um dos elementos mais importantes da nossa identidade, da nossa diferença e do nosso estar no mundo; o caboverdiano é, pois, a língua da Nação e da unidade em Cabo Verde; ela é o resto, o suporte e o principal veículo das nossas tradições, da nossa música, do nosso imaginário e de uma grande parte da nossa cultura; nela e através dela sentimos, sonhamos, vivemos e criamos, da maneira mais específica e peculiar, o nosso mundo, a nossa antropologia vivencial.

Por tudo isto, o “bilinguismo assumido” preconizado pelo actual Programa do Governo é uma exigência do valor histórico, social, cultural, patrimonial e sentimental das duas principais línguas da nossa vivência antropológica – o Caboverdiano e o Português. Ora, não é possível a construção de um “bilinguismo assumido” se não houver uma paridade real e progressiva, a nível de estatutos, de ensino e de utilização das duas línguas.

Impõem-se deste modo o estabelecimento e a publicitação das linhas estratégicas para a afirmação e valorização da língua caboverdiana.

O que irá constituir, indubitavelmente, mais um significativo passo, rumo à oficialização da língua materna, como determinado pela Constituição da República.

Tais linhas estratégicas têm presente várias recomendações feitas em instâncias como:

– O colóquio linguístico em 1979;

– O Fórum de Alfabetização Bilingue em 1989;

– A Comissão de Padronização, de 1994;

– O Fórum sobre Os Caminhos da Valorização da Língua Caboverdiana – o Papel da Assembleia Nacional, de 2002;

– A consulta levada a cabo, em 2005, junto de instituições e personalidades no País e na Diáspora, bem como junto de estudiosos do Caboverdiano, no estrangeiro.

 

Assim,

No uso da faculdade do nº 2 do artigo 260º da Constituição, o Governo aprova a seguinte resolução:

 

Artigo 1º
Estratégia de afirmação e valorização da língua caboverdiana

É aprovada a estratégia de afirmação e valorização da língua caboverdiana, cujas linhas de acção vêm em anexo à presente resolução e dela fazem parte integrante.

 

Artigo 2º
Entrada em vigor

A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação no Boletim Oficial.

 

Vista e aprovada em Conselho de Ministros.

José Maria Pereira Neves

Publique-se.

O Primeiro-Ministro, José Maria Pereira Neves.

 

Estratégia de afirmação e valorização da língua caboverdiana

1. As instituições de ensino superior públicas e as escolas públicas de formação de professores devem incluir a disciplina de língua caboverdiana, de forma autónoma e ensinada como matéria.

2. Essas mesmas instituições devem ainda criar, progressivamente, as condições para a atribuição de diplomas de bacharelato e de licenciatura em estudos caboverdianos, seja na área da cultura, seja na área estritamente linguística.

3. O Instituto Superior da Educação (ISE) deve incluir, no decurso de 2006, o processo de criação do Centro de Língua e Cultura Caboverdianas, com o objectivo prioritário de proceder ao estudo científico da língua e da cultura caboverdianas.

4. De igual modo, o Departamento governamental responsável pela área da investigação cultural continuará a aprofundar os estudos gramaticais, lexicográficos e sociolinguísticos da língua caboverdiana.

5. Os departamentos governamentais responsáveis pela área da Cultura e pela da Educação devem fixar uma quota de bolsas e de vagas na área de estudos da língua e da cultura caboverdiana, como ainda na área da linguística, em geral.

6. Na Administração Pública, na comunicação social, na literatura, nas artes, bem como nos actos públicos e/ou oficiais, a utilização é livre.

7. Nas aeronaves, deve-se encorajar o uso da língua caboverdiana, na variante em que o locutor/locutora é competente.

8. O Departamento governamental responsável pela área da Cultura incentivará a criação de prémios na área da investigação, da literatura, do teatro e da comunicação social.

9. Os estrangeiros que se interessam pelo estudo ou pelo ensino da língua caboverdiana devem ser acarinhados e estimulados pelo Departamento governamental responsável pela área da Cultura.

10. Os filhos dos emigrantes caboverdianos que, no intuito de uma maior integração cultural, resolverem deslocar-se a Cabo Verde para a frequência de cursos no Centro de Língua e Cultura Caboverdianas, poderão contar com incentivos do Governo.

11. O Departamento governamental responsável pela área da Cultura deverá, na medida das suas possibilidades, apoiar, material e culturalmente, a preparação de teses ou de estudos académicos, tanto por nacionais como por estrangeiros.

12. As instituições linguísticas ou de cultura caboverdiana na diáspora podem concorrer a patrocínios do Governo, mediante a apresentação de projectos que contribuem para a promoção e valorização da língua e da cultura caboverdianas.

13. Havendo, neste momento, um único alfabeto sistematizado para a escrita da língua caboverdiana (o ALUPEC), a sua utilização constituirá uma mais valia no patrocínio às criações artísticas. Porém, quaisquer outros modelos de escrita, desde que apresentados de forma sistematizada, constituem também valências na concretização dos patrocínios.

14. A inclusão cultural dos filhos dos imigrantes na diáspora passa, em certa medida, por programas organizados de visitas a cabo Verde. As instituições governamentais do país, com responsabilidade na área da Cultura e das Comunidades Emigradas, devem dar particular atenção aos projectos que visem essa integração.

15. As recolhas da tradição oral, do léxico e das festas de romaria, feitas em Caboverdiano e com nível para publicação, podem contar com o patrocínio do Departamento governamental responsável pela área da Cultura. A utilização de um modelo de escrita sistematizada afigura-se uma mais valia. A realização de vídeos sobre as festas tradicionais podem também contar com patrocínios do Governo.

16. A produção ou exibição de peças de teatro em língua caboverdiana devem ser tidas em conta na atribuição de patrocínios por parte do Governo.

17. Os Departamentos do governo responsáveis pelas áreas da Cultura e da Educação devem apresentar, em Abril de cada ano, ao Conselho de Ministros, em função das respectivas responsabilidades, o relatório anual sobre o estado de aplicação da presente Resolução. A apresentação do 1º relatório será em Abril de 2007. O conteúdo do relatório será publicado em pelo menos dois jornais mais lidos do País.

 

O Primeiro-Ministro, José Maria Pereira Neves.

 

 


Torna volta pa Índisi